Marquês de Sade, o mais causador do rolê

by: Carol Teixeira -

justine

(Justine, a obra de Sade, ilustrada pelo mestre dos quadrinhos Guido Crepax)

 

Se tem um escritor que é um causador nato, esse é o Marquês de Sade. Na época em que  escreveu seus textos, ele foi considerado louco por falar sobre sexo, prazer e sadomasoquismo (se falar sobre esses assuntos em pleno século XXI já causa reboliço, imagina lá pelos anos 1700?). E por conta dessa causação suas obras foram proibidas na França até 1957, além de ele ter ser preso diversas vezes. E foi numa dessas prisões, na Bastilha, que ele escreveu o livro considerado sua obra prima: 120 dias de Sodoma. Amo!

Em 2014 completaram 200 anos da morte de Sade e pra homenagear esse autor libertino, o tradicional musée d’Orsay em Paris montou uma exposição sobre o autor: “Sade. Attaquer le soleil“.

Annie Le Brun, que é a curadora da exposição e uma das maiores conhecedoras de Sade, mostra como o trabalho do escritor influenciou diversos outros artistas, de escritores à pintores. Na exposição a gente pode ver trabalhos de Delacroix, Rodin, Degas, Cézanne, Picasso, Francis Bancon, entre outros maravilhosos que podem ser considerados pesados pra algumas pessoas (isso é tão real que o próprio museu tem um aviso no site dizendo “A natureza violenta de alguns trabalhos e documentos pode chocar alguns visitantes”).

Além de todos esses artistas, das obras terem sido escolhidas por alguém que realmente manja de Sade, olha só o vídeo bafônico que o museu fez pra divulgar a exposição:

 

 

A mostra começou em dezembro e foi até o dia 25 de janeiro. Não preciso nem dizer que morri de ter perdido né? Deu uma vontade louca de reler os livros do Marquês de Sade! Amanhã vou indicar dois nas #EscolhasObscenas da semana. Se liguem porque vai ter promoção amanhã – não vou contar o que é mas tem a ver com o Sade….


Comments